Segunda-feira, 08 de Novembro de 2010

   

O engendro engendra a pedra

A pedra pedra a escolha

A escolha escolhe a relva

A relva relva a aventura

A aventura aventura-se na caverna

 

 

A caverna caverna o quadraçal

O quadraçal quadraça o granito

O granito granita o alimento da História, o desconhecido

O desconhecido desconhece o ódio contra o desejo

 

 

O desejo deseja o idílio

O idílio idilia o clarão

O clarão clareia a vitória da irmanação

A irmanação irmana-se á celebração

A celebração celebra a desgraça

A desgraça desgraça a solitária

A solitária solitaria a miséria

A miséria miseria o esquife

O esquife esquifia a opressão        

A opressão oprime a tranca

A tranca tranca a paixão

A paixão apaixona-se pelo tecer do cérebro

O cérebro cerebra o criatório da mente

O criatório cria a chama

A chama chama a mão

A mão manipula a caneta

A caneta caneta a mágica

A mágica chamada PALAVRA. 

 

 

JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA


sinto-me: UMA ILHA DE VERSOS MENORES

publicado por liramenor às 12:23
UM MOSTRUÁRIO DA PRODUÇÃO POÉTICA DO BAIANO JESSÉ BARBOSA DEOLIVEIRA ATENÇÃO: TODOS OS POEMAS FORAM REGISTRADOS PELA BIBLIOTECA NACIONAL, SITUADA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E SE ENCONTRAM SOB A PROTEÇÃO DA LEI DOS DIREITOS AUTORAIS N° 9.610
mais sobre mim
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


arquivos
2011

2010

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO